quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Voltando a ativa

Estava eu aqui tomando uma Czechvar e então resolvi fazer um post.
Por problemas de espaço a produção ficou parada por um ano. O que fiz nesse tempo?


Degustando! Essas e outras como Oyster Stout, Westmalle, Achel Brune e Thomas Hards Ale...
Mas a vontade de fazer cerveja era grande então resolvi que faria de qualquer maneira, mesmo que em pequena quantidade.
Então comprei um refratômetro e um sifão para auxiliar nesse processo e ocupar pouco espaço.
A idéia era fazer uma Belgian Pale Ale mas... durante a moagem do malte, um acidente ocorreu, derrubei uma boa parte do malte moído. Como eu tinha misturado os diferentes tipos de malte eu não tinha como calcular a quantidade exata que eu deveria usar para completar cada malte. Então fiz isso no olho mesmo. Nesse momento a cerveja ganhou o nome de "Acidente de percurso".
Fiz apenas quatro litro (sei que muitos vão dizer que não vale a pena pois é quase o mesmo trabalho de fazer 20 litros, mas eu precisava fazer). A brassagem foi feita sem rampas à temperatura de 65C como as minhas primeiras cervejas.
O plano para essa cerveja foi tentar seguir os parâmetros da receita original. O resultado final foi uma breja um pouco mais escura mas creio que ainda dentro dos padrões de uma Belgian Pale Ale. OG 1.051 e lúpulo para 25.7 IBU.
Para essa cerveja usei dois fermentos, o US05 e um Coopers. E como foi lindo poder ver meu airlock borbulhando pela primeira vez (fermentei em galão de 5l de água).
A TG foi de 1.011, uma atenuação de 78,4% resultando numa graduação de 5,24%.
Tive alguns acidentes pra mudar para o fermentador secundário, me deixando com medo de contaminação, mas vamos esperar. Resolvi ainda, para essa cerveja fazer um Dry Hopping, apenas para teste.
A cerveja foi engarrafada e está carbonatando nesse momento. Agora me resta apenas esperar...

Um comentário:

bruno disse...

até que enfim em preguiçoso ....
pensei que nunca mais ia ver um post nesse blog ...
auhoUHAEoIUAHEoiHAUEoiAUE ...

abraços,